Cultura da Pereira

Guia prático das Pomóideas
Guia Prático - Proteção das Pomóideas

Faça aqui o Download

Problemas

  • Afídeos da Pereira

    Descrição

    Os afídeos são insetos que se alimentam da seiva das árvores, podendo provocar a deformação das folhas e lançamentos, perda de vigor ou mesmo desvalorização dos frutos por presença de melada e fumagina.
    De acordo com cada espécie, os estragos provocados podem ser mais ou menos toleráveis. Deve-se acompanhar a evolução da sua população, emfunção da presença de auxiliares (parasitismo, cecidomídeos predadores, sirfídeos, joaninhas), características do pomar e respetiva fase do ciclo vegetativo e condições climáticas.

  • Aranhiço Amarelo da Pereira

  • Aranhiço Vermelho da Pereira

    Descrição

    O aranhiço vermelho é uma praga que ataca sobretudo as macieiras, provocando prejuízos elevados devido aos efeitos da atividade alimentar da praga. O esvaziamento das células resulta no bronzeamento das folhas, e consequente redução da fotossíntese, podendo induzir quebras na produção e deficiente acumulação de reservas da árvore. Esta praga desenvolve-se mais rapidamente em condições de temperatura elevada, sendo necessário o seu controlo eficaz na primavera, ao início da eclosão dos ovos.

  • Bichado da Fruta da Pereira

    Descrição

    É uma das pragas mais importantes das pomóideas, podendo levar à destruição de uma grande parte da produção.
    Os frutos atacados apresentam um orifício de penetração, porta de entrada para uma galeria onde poderá ou não estar a lagarta. A praga pode ter duas ou três gerações por ano, sendo importante controlar eficazmente a primeira geração para reduzir o nível de ataque das gerações seguintes, mais perigosas devido à maior fecundidade das fêmeas e à presença de condições meteorológicas mais favoráveis à postura e desenvolvimento das lagartas.

  • Cancro Europeu da Pereira

    Descrição

    O cancro europeu é provocado por um fungo que ataca a macieira, com maior intensidade nas variedades mais sensíveis (Red Delicious, Starking, Oregon). As infeções ocorrem através de feridas essencialmente durante o período de queda da folha, podendo originar ataques severos se a chuva for frequente e as temperaturas amenas durante o período de outono-inverno. A época da colheita, bem como episódios de granizo outonais, podem ser favoráveis à infeção, sobretudo em árvores jovens com madeira menos lenhificada.
    Os sintomas nos ramos e tronco caracterizam-se por anéis cilíndricos necróticos em redor do corte/ferida que originam uma depressão na casca, podendo rodear todo o diâmetro do tronco/ramo atacado. Ao início da atividade vegetativa, em condições de elevado inóculo,ocorre um segundo período de infeção na madeira mas também nos frutos, que apresentam podridões húmidas ao nível da fossa apical.

  • Carências de Fitonutrientes da Pereira

    Descrição

    Uma planta bem nutrida é uma planta saudável! A nutrição foliar das plantas deve ser encarada como um complemento à fertilização ao solo, sobretudo em alturas de maior sensibilidade da planta, situações de stress, início do ciclo vegetativo ou reposição de reservas no final do ciclo.

  • Cochonilha de São José da Pereira

    Descrição

    Esta cochonilha é uma praga que origina a depreciação comercial dos frutos. O ataque intenso do tronco e ramos, onde provoca a redução do vigor e o enfraquecimento gradual pode levar à morte das árvores.
    Os sintomas associados a esta praga são pintas vermelhas nos frutos e uma coloração avermelhada sob a casca dos ramos e troncos atacados.

  • Desladroante da Pereira

  • Estenfiliose da Pereira

    Descrição

    Doença que infeta sobretudo as pereiras, mas também macieiras e espécies herbáceas e lenhosas (silvas, malvas, labaças, trevos) que muitas vezes estão presentes no pomar como infestantes nas bordaduras e sebes naturais. A infeção na folha e no fruto resulta em pequenas manchas arredondadas de contorno avermelhado, que evoluem para necroses escuras. No fruto as manchas podem ser colonizadas por fungos que originam podridões, levando à sua queda precoce. Primaveras húmidas e amenas propiciam as infeções do fungo, que são também mais evidentes em pomares com excesso de vigor ou com carências nutritivas acentuadas (por exemplo cloroses férricas). Esta doença tem sido responsável por um forte impacto negativo nas produções, com elevadas perdas de rendimento.

  • Formas Hibernantes de Insectos e Ácaros da Pereira

  • Infestantes Anuais e/ou Vivazes da Pereira

    Descrição

    As infestantes nos pomares são inimigos por vezes subestimados, podendo porém provocar desequilíbrios graves na cultura, uma vez que vão competir com as árvores no consumo de nutrientes e água, podendo em caso mais graves competir também pela luz. O aparecimento de ratos, bem com a presença de doenças e pragas nas infestantes, são outros efeitos a evitar nas linhas dos pomares de macieiras e pereiras.
    Para o controlo eficaz das infestantes é fundamental conhecer as espécies mais representativas que se quer combater e agir num estado precoce do seu desenvolvimento.

  • Molhante da Pereira

    Descrição

    Os molhantes permitem melhorar a molhabilidade e aderência das caldas sobre as superfícies tratadas.

  • Mosca da Fruta da Pereira

    Descrição

    A mosca da fruta é uma praga que ataca macieiras e pereiras, sobretudo ao início do amadurecimento dos frutos. É sobretudo perigosa nas variedades de macieira de epiderme amarela (Golden) e em variedades mais tardias, em função das condições climáticas.
    A mosca da fruta pode efetuar várias posturas por fruto, com dezenas de ovos por postura. As larvas recém-nascidas são extremamente vorazes, alimentando-se da polpa dos frutos e levando, muitas vezes, à sua queda e completa destruição. No final do seu ciclo, as larvas da mosca pupam num casulo semelhante a uma semente alaranjada, muito resistente, do qual emergem os adultos que iniciam mais um ciclo. A mosca da fruta possui um ciclo devida curto, apresentando várias gerações ao longo do ano, onde a praga vai abrangendo quase todas as espécies fruteiras, há medida que os seus frutos vão amadurecendo.

  • Pedrado da Pereira

    Descrição

    O pedrado da pereira e da macieira é das mais importantes doenças das pomóideas em todo o Mundo. O fungo infeta folhas, pecíolos, flores, sépalas, lançamentos e escamas dos gomos e os sintomas surgem através de manchas com aspeto aveludado castanho-esverdeado, evoluindo para negro.
    O pedrado hiberna nas folhas caídas durante o outono. Na primavera os ascósporos são libertados na sequência de chuva ou orvalho, originando as infeções primárias, para temperaturas ótimas de 15 a 25°C e um período de folha molhada mínimo de 6 horas. Nas manchas resultantes destas infeções produzem-se os esporos responsáveis pelas infeções secundárias, que se dispersam na presença de chuva ou orvalho. Para além da sensibilidade varietal existente para esta doença, condições nutritivas de desiquilíbrio nutricional podem levar a uma maior
    sensibilidade da planta.

  • Psila da Pereira

    Descrição

    A psila da pereira é um inseto picador-sugador que desvitaliza os órgãos da planta em resultado da sua alimentação. Associado à sua estratégia de defesa, esta praga produz uma substância açucarada (melada) que usa como escudo protetor contra os efeitos do clima, mas que também a protege dos insetos predadores.

    A melada atua diretamente como uma barreira física à predação e indiretamente através da simbiose com formigas que protegem os insetos em troca do consumo de melada. As ninfas de psila envoltas nas gotas de melada encontram-se também mais protegidas do efeito dos produtos fitossanitários aplicados para o seu controlo. É nesta
    melada que se instala um fungo saprófita (fumagina), que cobre de negro todas as superfícies colonizadas pela psila (folhas, lançamentos e frutos), provocando os maiores prejuízos associados a esta praga,nomeadamente a desvalorização comercial dos frutos.

    No limite, as folhas atacadas pela psila secam e caem, podendo provocar perdas de vigor e redução de produção nas árvores muito atacadas.